Ultra inspirador…

11 Abr

Quatro espaços em Londres que transpiram inspiração :

- Association
- Workshop
- Rapha Cycle Club
- Protein

Silver.Spoon regressa a Portugal na versão ‘Ocupa’

13 Mar

Depois do jantar ‘Under the Deep Sea’ que tive o privilégio de participar (ver aqui), o coletivo dinamarquês Silver.Spoon regressa a Portugal para mais quatro jantares, dois em Lisboa (15 e 16 de Abril) e dois no Porto (18 e 19 de Abril).
Desta vez o tema vai ser ‘Squatting’, que significa em português ‘ocupar’ e acaba por ser uma homenagem a mais de um bilião de ocupas que existem em todo o mundo. O formato da edição anterior mantém-se, ou seja, os convidados só sabem do local 24 horas antes do evento.

O jantar inclui cinco pratos como nomes tão sugestivos como:
- Pesca Urbana de Snacks
- Pagamentos em atraso
- Sem combustível
- Sem eletricidade
- Partido
- Doces Roubados

Preço: €80 (vinho incluido)

Os jantares funcionam apenas por convite, mas em cada um dos jantares há um número limitado de entradas disponível através de sorteio. Para os que quiserem participar desta aventura (que recomendo vivamente) pode e deve enviar um e-mail para info@silverspooncph.com com: nome completo, número de lugares (máximo 4), nº de telefone e qual foi o jantar mais fantástico a que foi nos últimos tempos.

Welcome drink: 19h15
Jantar: 20h

Uma experiência inesquecível!

1

4

5

6

7

8

O teu nariz está vermelho!

4 Mar

Estava o meu e estava o de todos aqueles que participaram deste jantar solidário do Iguarias D’Excelência a favor da Associação Nariz Vermelho. Jantares há muitos, mas aqueles que têm uma causa solidária são invariavelmente especiais!

Foram quatro chefs portugueses que assumiram os comandos: João Rodrigues (1* Michelin, Feitoria), João Sá (Assinatura), Vítor Claro (Claro!) e Nuno Barros (Taberna 1300).

fotografia-3

Pessoalmente gostei bastante do Bacalhau à Conde da Guarda de Vitor Claro e das Bochechas de Porco Alentejano com Ravioli de Cogumelos de João Rodrigues.

Este, é daqueles jantares em que se vai para casa com a alma cheia! E uma vontade de fazer mais e melhor pelos outros, cada vez maior!

Parabéns ao Iguarias d’Excelência pelo 10º aniversário e, sobretudo, pela atitude!

Pacific Rhythms by Kinfolk

27 Fev

Absolutamente inspirador!

Afinal, andamos todos à procura de quê? Felicidade? Ei-la da forma mais simples, inspiradora e contangiante.

O caminho é por aqui… sigam-me!

Come melhor, vive melhor!

19 Fev

Não podia estar mais de acordo com os holandeses da Foodfulness, eis 7 simples passos para viver melhor:

- Não saltar o pequeno almoço

- Experimentar algo novo

- Variar, sempre!

- Mexer-se, tanto quanto possível…

- Comer cor

- Beber água, muita

- Investir em fibra

De Sintra ao Japão, num almoço!

17 Fev

Recebo um e-mail com um save the date para dia 12 de fevereiro, às 13h. Local? Restaurante Midori no Penha Longa. Propósito: apresentação da nova carta do chef Pedro Almeida.

Passam dois ou três minutos da hora estou mais do que a tempo, ainda não chegou toda a gente. O Penha Longa está com uma atmosfera particularmente misteriosa e interessante, há nevoeiro e a Serra de Sintra está ali a dois passos.

Desta vez os lugares são marcados. Temos à nossa frente o rol de pratos para deste almoço. Vão ser 11! Coragem!

As hostes abrem-se com um amuse bouche de fazer chorar de inveja todos os Instagrams da vida: Enguia com Molho Teriaki, Esferificação de Laranja Sanguinária e Foie Gras.
É preciso alguma destreza no manejamento dos pauzinhos para ‘apanhar’ a esfera sem a rebentar. Tudo faz sentido neste prato, sobretudo quando a laranja tira discretamente o protagonismo ao foie gras e deixa brilhar a enguia.

1

O senhor que se segue é um Sashimi de Salmão com Ervilhas e Hortelã com um Chip de Raiz de Lótus e, porque o chef Pedro Almeida gosta de fundir o Japão em sabores que também são nossos, surpreende-nos com um Tataki de Carapau, a fazer lembrar os carapaus com molho à espanhola, que aqui se apresenta sob a forma de gelatina, sashimi de carapau e espuma de salsa.

2

3

Sobre este Shimesaba com Dashi e Edamame, Tofunese de Alho Negro e Cerveja, achávamos que seria um dos mais bonitos desta nova carta, mas havia mais.
A cavala enrola-se no sal grosso, mas toma banho antes de chegar ao prato que lhe exige leveza.

4

O Tataki de Carapau e Tomate parecia só mais um prato, apesar de a palhinha de vidro com crocante dentro suscitar logo alguma curiosidade. O nome, simples, não lhe faz justiça. Ou talvez faça, a simplicidade é um dos grandes trunfos da cultura japonesa. O prato é composto por três peças: um gaspacho que vem em copo e deve ser bebido pela palhinha de vidro com crocante dentro. Mas antes, está a tosta impregnada de sabor com um sorbet de tomate com Dashi que a refresca. O carapau está mesmo ali ao lado. O melhor prato, sem dúvida. E parece que a opinião foi unânime.

6

Ainda faltam três pratos, sem contar com as sobremesas. O Tataki de Atum de Outono é-nos servido num tronco com cortiça.
Infeliz daquele que acha que os olhos não comem. Parece que o atum, os cogumelos e a beterraba, as nozes pekan, as castanhas e o wasabi, já para não falar do gel de sunomono a fazer lembrar as gotas de orvalho, caíram ali por acaso. Mas não, este é um prato surpreendente, quer pelo aspeto quer, sobretudo, pelas texturas e pelo sabor.

7

O Nigiri de Lingueirão à Bulhão Pato não suscita grande alarido. Nada que se compare ao bitoque sob a forma de Nigiri que nos chegou à mesa com umas microbatatas fritas. O sabor do bitoque está lá todo e até traz um pequeno pão para quem não quiser deixar o molho por mãos alheias.

8

9

Terminamos com um Ramen de Porco com Ovo a Baixa Temperatura. A barriga do porco foi cozinhada durante 24h, a massa foi feita na cozinha do Midori.
O final serve-se quente e o nosso estômago rejubila. Se há comfort food, este prato insere-se nesta categoria.

10

Faltam as sobremesas. Pedro Almeida faz uma demonstração e percebemos com que ingredientes cada uma delas se constrói.
À mesa chega-nos um tríptico doce composto por: Yuzu, Maracujá e Manga; Joias de Pera Nashi e Esféricos de Chocolate, Lima e Wasabi.

11

Nota: Este texto é um Diário da Redacção da Revista LuxWoman

A ‘namorar’ no Ritz…

7 Fev

Bem, namorar, namorar não foi bem, mas quase. Na realidade, fui experimentar o Menu São Valentim do chef executivo do Ritz Four Seasons, Pascal Meynard.

É Diana Castello Branco quem faz as honras da casa e nos leva pelos meandros gastronómicos do Ritz. O almoço foi servido numa sala contígua à cozinha, onde costumam decorrer as reuniões de menus.

A cozinha do Ritz é enorme. De um lado, Room Service, os quentes aqui, os frios ali… literalmente isto é o mundo. E poder estar do lado de cá é um privilégio.

1

O chef Pascal Meynard espera-nos e senta-se à mesa connosco, e ainda bem porque as perguntas sucedem-se. Somos apenas quatro jornalistas e seis pessoas à mesa.

Começamos com o Carabineiro Marinado com Citrinos, Legumes Crocantes, Óleo de Limão e Basílico. Ah, que lindo! Estamos perante um jardim encantado, literalmente, onde o carabineiro faz de chão, os legumes crocantes (cenoura, tomate confitado, rabanetes, pepinos) se distribuem entre diversas gelatinas e citrinos. E há pétalas, claro, não fosse este um jardim.

3

Seguem-se as Vieiras com Trufa Preta Melanosporum, Geleia de Funcho e Alho Francês com Pimenta Fumada. Ultrafeminino este prato, talvez pela gelatina que ficou cor-de-rosa porque se apaixonou pela beterraba. As vieiras estão cozinhadas na perfeição, a trufa está lá, discreta, para não anular sabores. O alho francês concede-lhe alguma frescura.

4

Fala-se do chef, do Ritz de outros tempos e do Ritz de hoje.

Existem dois pratos que são opção no menu: Cherne com Pinhões, Canneloni de Couve e Amêijoas e Clorofila de Rúcula ou Filete de Vitela au Combava (Lima Keffir), Beringela Lacada com Miso, Crocante de Kumquat e Sésamo Preto. Somos seis, uns comem carne, outros peixe, a mim calha-me o cherne e, ainda bem. Gosto da leveza do peixe, aqui enriquecida com pinhões. A couve e as amêijoas embrulharam-se e surgem enroladas em finíssimas folhas de massa philo, e a clorofila de rúcula ajuda a refrescar alguns calores que possam surgir.

5

Desta vez fala-se de vinhos e de copos. Ainda têm os antigos copos? “Temos claro!” Alguns minutos depois, surgem-nos três copos alinhados numa baixela com o pano de linho. São os pormenores que contam, afinal estamos no Ritz. Qualquer semelhança com os copos que se usam hoje é pura coincidência, mas são maravilhosos…

Terminamos com o Coração de Framboesa e Hibiscos. E o chef pasteleiro Fabian Nguyen junta-se a nós. E desconstrói o que temos à frente, as framboesas surgem no pedestal de morangos e cobrem-se de ouro, o chocolate branco oferece-nos uma folha de corações e o gelado faz-nos voltar atrás no tempo porque sabe a gomas.

7

8

9

Está-se muito bem aqui, mas a minha vida (infelizmente) não é só isto!

Nota: Este texto é um Diário da Redacção da Revista LuxWoman

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 330 outros seguidores

%d bloggers like this: